Notícias sobre logística

Governo anuncia nova tabela de frete e aplicativo até semana que vem

O Governo aprovou novos parâmetros para cálculo na tabela de frete. Um estudo realizado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) para a nova tabela de frete foi aprovada ontem (16 de julho) pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Os valores novos da tabela de frete serão apresentados na próxima sexta (19 de julho). Já a tabela em si estará disponível na segunda (22 de julho). A agência aceitou ajustes na metodologia para os valores mínimos (piso) do frete.

O que vai mudar na tabela do frete?

     
  • Novas composições de veículos por eixo para cargas conteinerizada, perigosa e neogranel
  •    
  • Consideração de custos não considerados antes:
         
  • velocidade de deslocamento do caminhão
  •      
  • tempo de carga/ descarga
  •      
  • jornada de trabalho
  •      
  • manutenção (diesel e pneus)
  •      
  • IPVA e licenciamento do caminhão
  •    
     
  • Criação de uma 2ª tabela com valor mínimo para contratar apenas caminhão (sem carreta ou semirreboque)

O que o Ministro da Infraestrutura disse?

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que há “muito consenso” e que a maior parte da categoria, que parou o país em greve contra o aumento do óleo diesel em maio de 2018, “está confortável” com os valores.

“A receptividade da tabela está boa, o que os caminhoneiros querem é o Ciot [Código Identificador da Operação de Transportes] para todos”, disse, ressaltando que o tema já “está em estudo”.

Novo aplicativo do Governo para calcular valores de frete

A empresa pública de tecnologia da informação Serpro criou um aplicativo para caminhoneiros calcularem fretes.

A previsão de lançamento do aplicativo é sexta (19 de julho).

O aplicativo é gratuito e será disponibilizado em lojas virtuais (Google Play e App Store) de celulares.

Caminhoneiros poderão usar o aplicativo para saber o valor mínimo do frete que vão fazer de acordo com o piso da tabela.

Também podem ver outros custos como de pedágio e de parada/ pernoite.

Fontes: G1, Valor Econômico

ESCRITO POR