Gestão de Entrega

Como evitar os principais problemas nas etapas de transporte de carga

Da coleta à entrega, muitos problemas podem acontecer. A logística talvez seja uma das tarefas mais complexas da humanidade. São tantos fatores desde a busca de matérias-prima, fabricação do produto e usufruto do cliente. Para tudo isso ser possível, tem que ter logística. E, no Brasil, o transporte rodoviário é a modal predominante.

Leia esse artigo para descobrir os problemas que acontecem nas etapas de transporte:

  1. administração
  2. conferência da carga
  3. roteirização
  4. monitoramento do veículo e da carga

E confira as dicas para solucionar esses problemas e tornar seu transporte de cargas mais eficiente!

#1 Administração do transporte

Esse termo abrangente pode resultar em muita encrenca na sua logística. Administrar o transporte significa escolher:

  1. Qual tipo de veículo é aderente à carga?
  2. Qual será o motorista?
  3. Quais serão os principais recursos necessários?

Vamos começar pelo item #1, “Qual tipo de veículo é aderente à carga?”:

Para responder essa pergunta, você precisa analisar minuciosamente sua carga: o veículo ideal é aquele que comporta a carga pelo menor preço. E claro, com menor gasto de combustível (o meio ambiente agradece).

Então olhe para a carga e considere esses fatores:

  • o peso
  • a consistência (sólida, líquida, frágil, inflamável, tóxico…)
  • o valor financeiro (a carga seria alvo em um furto?)
  • exigências sanitárias ou de temperatura (precisa ser refrigerado?)
Vamos considerar por exemplo uma carga de 5 toneladas de material têxtil:
  • 5 toneladas? Cabe em um caminhão toco.
  • Qual carroceria? Bom, por não ser frágil pode ser grade baixa ou graneleiro.
  • Valor financeiro? Materiais têxteis raramente são alvos de roubo - então uma preocupação menor.

Pronto! Você agora sabe o veículo que precisa: um caminhão toco com carroceria grade baixa ou graneleiro. Quer saber mais sobre tipos de caminhão? Leia Frota de Caminhões: tipos de caminhão para o seu negócio

Agora o item #2, “Qual será o motorista?”

Esse item é mais complexo que o outro, pois exige conhecer um caminhoneiro. Se você tem frota própria, basta você designar a carga para um motorista disponível e que esteja próximo do local de coleta (mais fácil falar que fazer, certo?)

A plataforma Fretefy ajuda você a distribuir suas cargas para transportadores

Já se você depende de terceiros, tem 2 opções:

  1. Contratar uma transportadora
  2. Contratar caminhoneiros autônomos

Para a 1ª opção, basta você encontrar uma transportadora que atenda as rotas que deseja e firmar um contrato. Já a 2ª opção pode ser resolvida de diversas maneiras. Confira esses artigos com dicas:

A dica é manter sempre um canal aberto com caminhoneiros autônomos que trabalham em rotas estratégicas para sua empresa - ou aqueles que possuem uma carroceria difícil de achar, mas crucial para seu negócio.

Isso pode ser feito criando grupos de whatsapp ou registrando o contato de motoristas em planilhas. Porém o Fretefy é uma plataforma mais eficiente para encontrar caminhoneiros terceiros.

Saiba como funciona nossa plataforma que conecta na hora sua carga com caminhoneiros 100% compatíveis.

Por fim, o item #3 “Quais serão os principais recursos necessários?”

Recursos significa: dinheiro, tempo e documentação.

Dinheiro

Nesse caso é o valor de pagamento do frete no caso de lidar com caminhoneiros autônomos. Já se a frota por própria, você terá que negociar esse valor com o cliente. É importante na hora de negociar deixar explícito quanto custa a carga em si e quanto custa o frete para não gerar confusão.

Tempo

Geralmente é o prazo para a entrega. É importante definir uma janela de entrega que seja razoável tanto para o embarcador da carga quanto o cliente. Não ceda à pressão e defina um prazo impossível. Isso só vai gerar desgaste para os transportadores e desiludir seus clientes. Defina prazos que sejam sinceros e justifique com motivos claros.

Documentação

Se refere à papelada necessária pela regulamentação da carga. Existem muitas leis que regem o transporte de cargas no Brasil e você precisa prestar atenção para não esquecer de uma e ser multado.

Quais são os documentos necessários para o transporte de cargas?

Bastante coisa, né? Por isso é bom anotar essa lista e fazer um checklist antes de cada viagem para garantir que nenhum documento está faltando.

#2 Conferência da carga

Já ouviu a expressão “é melhor prevenir do que remediar”? Bom, essa frase clássica é certeira na logística. É mil vezes melhor você garantir que está tudo certo com a carga antes de enviá-la para o cliente. Inclusive, se você trabalha com e-commerce sabia que 30% das vendas são devolvidas?

Um dos motivos pela devolução é justamente o produto estar com defeito - ou ser diferente do solicitado. Então, inspecione sua carga antes do envio para o cliente. A forma mais fácil de fazer isso é a amostragem.

Existem diversas formas de amostragem considerando o tipo de carga, como por exemplo a sonda pneumática para amostragem de grãos. Veja a seguir alguns guias para realização de amostragem:

Além da amostragem, é importante averiguar se a carga é realmente o pedido solicitado pelo cliente. Esses erros são frequentes no e-commerce por exemplo, como por exemplo enviar um tênis cinza em vez de um preto.

Isso também pode ocorrer para cargas maiores, como enviar para o varejo um modelo errado de notebook ou um sabor errado de refrigerante. A logística é uma correria e às vezes pequenos detalhes como a cor ou tamanho de um produto passam batido. Por isso, bom se atentar e dar uma “pausa” para a inspecção.

#3 Roteirização

Roteirizar bem significa evitar ocorrências durante o trajeto. Não basta abrir o Google Maps e colocar os endereços de coleta e entrega.

O Google Maps ignora uma série de fatores de risco, como estradas com infraestrutura defasada e índice de roubos. Por isso, vale a pena um software de roteirização.

Sabia que o Fretefy é um hub de gestão logística que aceita integração com rastreadores? O software de roteirização, conhecido como roteirizador, facilita o gestor a determinar a rota considerando fatores mais pertinentes à área logística. Os trajetos são traçados considerando a infraestrutura e segurança da via.

O rastreador também permite acompanhar o veículo em trânsito e registra dados sobre produtos, trajetos, cargas e destinos.

Sabia que o Fretefy permite localizar em tempo real seu veículo mesmo sem rastreador? Além disso, na hora de definir a rota, você deve considerar locais de parada para o motorista. Pesquise por lugares baratos, onde há convênio para abastecer e preço mais justo para dormir.

#4 Monitoramento do veículo e da carga

Após a coleta, é crucial monitorar a carga durante o trânsito. Ficar “às cegas” enquanto a carga está na estrada pode resultar em surpresas desagradáveis. Em vez de antecipar decisões e identificar em tempo real problemas, a falta de monitoramento significa que você está sempre correndo atrás do prejuízo. Existem diversas formas de monitorar cargas.

Leia Controle de Frota: 4 métodos para monitorar suas operações logísticas

A maioria dos gestores logísticos monitora o veículo em trânsito por telefone ou whatsapp. Assim, eles ligam para o motorista ou enviam uma mensagem quando precisam averiguar o status da carga. Já quem possui um rastreador pode acessar um portal dedicado para localizar em tempo real o veículo e conferir dados da carga.

Cada serviço de rastreador é diferente e alguns são mais acessíveis que outros.

Fretefy é uma plataforma que realiza o tracking das suas cargas em tempo real com mapas, indicadores de performance e estimativas de entrega. Assista o vídeo sobre a plataforma logística do Fretefy