Os acidentes automobilísticos envolvendo caminhões costumam ser mais fatais do que os outros. De acordo com o Atlas de Acidentalidade no Transporte Brasileiro, eles representam 43% das mortes no trânsito em 2017. Um dos motivos para essas fatalidades é o excesso de peso de carga que alguns caminhões carregam. Entenda porque o peso acima do permitido pode aumentar o número de sinistros e a multa para quem infringe a lei.

Por que excesso de peso de carga causa acidentes?

O excesso de peso de carga deixa os caminhões mais instáveis, potencializando o risco de tombamento. O tempo de frenagem também aumenta e os freios podem ficar sobrecarregados, colocando em risco o condutor e os demais presentes na estrada.

Os caminhões com excesso de peso de carga causam maior desgaste nas rodovias e, consequentemente, aumenta os riscos de acidentes com veículos leves. Segundo um estudo realizado pela NTC (Agência Nacional do Transporte de Carga), o excesso de peso em 10% já é o suficiente para aumentar em 46% o desgaste das rodovias. Além de comprometer a segurança, as avarias nas estradas causam prejuízos materiais e financeiros também, como redução na vida útil dos pneus e suspensões, prejudicando as vias não somente para a circulação de caminhões, mas para todos os tipos de veículos.

Demonstração Fretefy

Excesso de peso de carga é considerado infração de trânsito

Além de causar acidentes, a multa por excesso de peso de carga é considerada uma infração média de acordo com o Código Brasileiro de Trânsito (CTB). Quem ultrapassar o limite permitido pode arcar com uma multa no valor de R$130,16. O veículo também pode ser retido para o transbordo da carga excedente.

O valor da multa pode aumentar a cada 200 quilogramas acima do permitido. A cobrança acontece da seguinte forma:

  • até 600 kg de excesso — R$ 5,32;
  • a partir de 601 Kg até 800 Kg — R$ 10,64;
  • a partir de 801 Kg até 1.000 Kg — R$ 21,64;
  • a partir de 1001 Kg até 3.000 Kg — R$ 31,92;
  • a partir de 3.001 Kg até 5.000 Kg — R$ 42,56;
  • 5.000 Kg ou mais — R$ 53,20.

Segundo uma resolução do CONTRAN, quando a fiscalização do peso for feita por uma balança rodoviária, há uma tolerância de 5% de excesso para o peso bruto total (PBT) e peso bruto total combinado (PBTC). Quando falamos de peso por eixos, a tolerância é de até 10%.

Quando a fiscalização por balança não é possível, ela é realizada através da análise das notas fiscais. Vale ressaltar que, nesse caso, não há tolerância para excesso de peso.

Controlar o peso da carga transportada é fundamental para garantir a segurança do condutor e dos outros motoristas na estrada, além de assegurar que a carga chegue segura ao destino final. Seja frota própria ou terceirizada, o gestor deve estar ciente sobre os limites permitidos e garantir que a transportadora respeite a legislação.