Gestão de Entrega

Gestão de Entrega: principais desafios para entregar no prazo

Tempo é o que importa na logística. Afinal se a logística se preza por uma boa gestão de entregas no prazo e no local certo, o prazo de entrega importa para o cliente alinhar suas operações. Por exemplo, se o seu cliente adquirir uma máquina de costura, o prazo de entrega importa - cada dia sem a máquina é um dia a menos criando as roupas que lhe trazem sustento.

Leia esse artigo para entender 3 fatores que afetam a gestão de entrega, além dos entraves que os países subdesenvolvidos enfrentam para entregar cargas com agilidade. As informações são de um estudo da OECD sobre o tempo como “barreira” à logística e o comércio.

Continue lendo para aprender mais sobre gestão de entrega:

  • como o lead time afeta prazos
  • a história de um prejuízo milionário na Quênia devido a um atraso de 3 dias na entrega
  • como o governo atrasa entregas no Quirguistão
  • e mais!

O que afeta o tempo de entrega das cargas?

De acordo com o estudo da OECD sobre gestão de cargas, o tempo de entrega depende de 3 fatores:

  • Distância entre os parceiros comerciais: a distância geográfica entre o fornecedor do produto e do cliente
  • Características institucionais (governo) e de transporte: a infraestrutura de transporte (qualidade das estradas, etc) e a legislação sobre a logística
  • Serviços logísticos: a qualidade de serviço das transportadoras ou outras empresas do setor logístico

Além disso, o estudo aponta que existem 3 fatores que devem ser considerados quando analisando o tempo na logística:

  1. Lead Time
  2. Just-in-time
  3. Variabilidade do tempo

1) Lead Time

Conhecido também em português como “tempo de espera”, o Lead Time é a quantidade de tempo entre A) realização do pedido e B) recebimento do pedido.

Um lead time comprido não significa necessariamente que é ruim para a gestão de entrega. Caso a demanda e o prazo de entrega sejam estáveis, é possível planejar para que o tempo não seja um problema.

Entretanto, um lead time comprido gera problemas quando a demanda é instável. Imagine por exemplo um cliente que faz uma encomenda e logo após é notificado que o produto chegará apenas em 60 dias!

Isso com certeza deixará muitos clientes insatisfeitos, que vão optar pelo cancelamento da compra ou algum desconto como compensação. Além disso, sempre existe o risco de cancelarem a compra e você perder clientes.

Outro problema que o lead time comprido gera é o excesso de estoque. Devido ao fato de o produto demorar para chegar às mãos do cliente, empresas costumam criar um estoque de segurança para agilizar as entregas. O problema é que caso a demanda seja menor que o esperado, a empresa terá que vender o estoque excedente com desconto.

2) Just-in-time

Just-in-time é um método para organizar a produção que objetiva reduzir ao máximo o estoque. O objetivo é que os materiais sejam fabricados em produtos assim que chegarem à indústria.

Aprenda mais sobre just-in-time no artigo Entenda tudo sobre Kanban para a logística

Um dos entraves para o just-in-time é a variabilidade do tempo. Caso o tempo de entrega dos produtos seja altamente variável, a empresa precisa usar estoques por segurança. O problema é que isso acaba com o próprio objetivo do just-in-time, que visa eliminar a estocagem.

3) Variabilidade do tempo

A variabilidade de tempo é uma estatística que mede o quanto de tempo o prazo de entrega oscila. Caso a variabilidade do tempo seja alta, isso apresenta desafios para o gestor logístico, pois fica mais difícil planejar o prazo das entregas. O objetivo é sempre reduzir ao máximo a variabilidade do tempo, para que a empresa possa tirar vantagens de processos que demandam pontualidade, como o just-in-time e o cross docking.

Qual é o custo do tempo de entrega para o comércio?

O prazo de entrega afeta diretamente a possibilidade de um produto ser vendido ou não em um tipo de mercado.

No caso dos EUA por exemplo, cada dia de entrega adicional diminui em 1,5% a chance de venda do produto no país. Ou seja, um produto que demora 5 dias para chegar aos EUA tem mais chance de sucesso que um produto que demora 10 dias.

Além disso, um estudo do Doing Business Survey mostra que 10% de aumento no tempo de entrega reduz o volume de comércio de 5 até 8%. Já a OECD estima uma redução de 25% no comércio cada vez que o tempo de entrega aumentar 10%.

Os desafios dos países subdesenvolvidos para encurtar o tempo de entrega

O Estudo da OECD sobre gestão de entrega comenta que os países subdesenvolvidos (incluindo emergentes como o Brasil) sofrem tanto com a baixa qualidade de serviço quanto a burocracia governamental para liberação das cargas.

Efeitos da gestão de entrega: baixa qualidade de serviço

Diversos países subdesenvolvidos não possuem uma ampla oferta de transportadoras dedicadas ao transporte de cargas. Assim, a logística acaba sendo realizada pela própria empresa, que também pela falta de verba não emprega especialistas pela tarefa - isso causa maiores atrasos e imprevisibilidade.

O estudo aponta que países que ofertam serviços de logística de qualidade, facilitam os negócios de empresas de médio e pequeno porte. Já nos países subdesenvolvidos, essas empresas menores podem não ter verba para vender seus produtos no exterior.

Além disso ocorre também a dependência em um serviço que não é ideal, mas cumpre o recado.

Um exemplo é a logística de flores da Quênia à Europa. Um dos dias mais lucrativos para esse agronegócio é o dia dos namorados europeu (14 de fevereiro) - logo as flores precisam ser entregues por avião e chegar num prazo de 2 dias antes da festividade.Infelizmente, houve um transportador aéreo que atrasou a entrega das flores - chegaram na europa 3 dias após o dia dos namorados. O resultado foi um prejuízo de 320 mil euros (R$ 1,4 milhão).

O problema é que após esse prejuízo, os fazendeiros de flores em Quênia não tem outra opção de transportador aéreo, já que há pouca oferta deste serviço no país. Assim, eles continuam dependendo de um serviço arriscado, que pode resultar em prejuízos milionários.

Burocracia governamental

A burocracia governamental acaba sendo uma barreira nos países subdesenvolvidos também: enquanto na Dinamarca o lead time é de 5 dias, na República Centro-Africana é de 8 meses!Outros países subdesenvolvidos também sofrem com um lead time comprido:

  • Iraque: 116 dias
  • Cazaquistão: 93 dias
  • Chade: 87 dias
  • Sudão: 82 dias

No Quirguistão, 50% do tempo de entrega consiste em esperar para inspeção em postos governamentais nas fronteiras.

Além disso, o estudo da OECD mostra que nesse país a “falta de cooperação” entre membros da cadeia de suprimentos acaba atrasando entre 25 - 40% o tempo de entrega.

As informações desse artigo são da pesquisa Logistics and Time as a Trade Barrier por Nordås, Pinali e Grosso (OECD, 2006)